Novela “Like, La Leyenda” se despede cheia de erros e sem final

0

No último domingo (20), chegou ao fim no México, a novela Like, La Leyenda. A trama foi produzida por Pedro Damián para o canal de Las Estrellas. Nela, vários personagens enfrentaram problemas como sexualidade, drogas, religiosidade e inclusão. Like também foi responsável por lançar novos nomes ao mercado latino. A história teve Roberta Damián, Ale Müller, Macarena García, Anna Iriyama, Mauricio Abad, Santiago Achaga, Carlos Said e Victor Varona como os protagonistas. Rodrigo Massa e Flávio Nogueira foram dois brasileiros que integraram o elenco.

Prometendo mais do que podia, Like chegou à tela do Las Estrellas sendo injustiçada por comparações impiedosas com o fenômeno Rebelde. Um dos seus maiores erros foi sua própria banda – de mesmo nome da novela – e sua estratégia de lançamento. Qual é a pessoa que se interessa por um produto sem ter conhecimento de sua origem e propósito? Pois bem, a banda Like surgiu dois meses antes da trama ser levada ao ar. Apresentada em rede nacional através do tradicional Prêmio Juventud 2018, a impressão que deu, é que Pedro Damián tentou nos enfiar goela abaixo o “enorme” grupo musical. E não deu outra, a novela chegou ao seu fim tendo justamente a banda como seu maior problema.

Problemas com direitos autorais impediu o sucesso da banda Like

Sem apelo e com uma proposta mal executada, a duração de 5 meses da novela não foi o suficiente para que Pedro Damián adquirisse os direitos autorais das músicas. Isso dificultou então, os shows, apresentações em programas de TV e licenciamentos de CD’s e outros produtos. Algo completamente diferente do RBD, que 10 anos após seu estrondoso sucesso, ainda são produtos consumidos na internet. E os problemas só continuaram, no dia 10 de setembro de 2018, Like estreou prometendo ser uma novela inclusiva e com abordagens audaciosas de temas citados no início desse texto.

Pedro Damián levou parte do elenco central para Israel e Japão – a vinda ao Brasil ficou apenas no sonho. Essas viagens foram duramente criticadas pelos telespectadores, pois as cenas que foram levadas ao ar serviram apenas para encher linguiça, mostrar paisagens belíssimas e empurrar a trama com a barriga. Se nada nada estava agradando até então, por que não mostrar ao público que Like é uma trama de investimentos grandiosos? Mas se este fosse o maior problema, estaria tudo bem.

Mas não, Like La Leyenda chega ao seu fim com uma proposta completamente diferente da que foi vendida. Abordagens censuradas, como o lesbianismo, a superficialidade no tratamento de uma doença degenerativa, o não aprofundamento nas culturas ali integradas colaboraram para a audiência trágica. Houve um estranhamento do público, Like foi uma novela que uniu nomes desconhecidos do público. Alguns deles nunca haviam lidado com câmera na vida. Jovens vindos de várias partes do mundo: Argentina, Peru, Brasil, Israel, Japão, Colômbia, todos carismáticos e bonitos, porém, a trama precisava de um suporte, um equilíbrio, algo não pensado por Pedro Damián.

Keiko foi maior que a novela

Seu final foi simplesmente um mix de cenas boas com cenas completamente descartáveis e desnecessárias. A sequência do resgate de Keiko (Anna Iriyama) de um casamento organizado, foi o ponto alto e mais elogiada pelos telespectadores mexicanos, que viram ali, na dramática cena de tentativa de suicídio da personagem, o momento certo para Pedro colocar um ponto final com glória na passagem mais interessante da história. Mas faltou criatividade. Keiko roubou a cena em Like e se consagrou a personagem mais querida por todos. Incorreta e desajustada, Keiko é a maior prova que a mocinha tradicional já não tem mais vez.

Roberta Damián (filha de Pedro Damián), não segurou sua personagem. Sonsa, dramática e sofredora, Antonia foi o pior do grupo central. Ela é a típica mocinha das chamadas: “novelas rosas”, poderia estrelar uma nova versão de Esmeralda. Por fim, entre más atuações e histórias mal resolvidas, Like La Leyenda terminou em Tókio, no Japão, e sem um fim literalmente. A palavra fim não surgiu como crédito final, dando a entender que, sim, há grandes chances, infelizmente, de Like ganhar uma segunda temporada na plataforma de streaming da Televisa, o Blim.

Fonte: Observatório da Televisão

Comments are closed.